logo teologia nordwste

Eduardo Hoornaert

Quando os fotógrafos do filme ‘Dois Papas’ finalmente são conduzidos por atenciosíssimos Monsenhores à Capela Sixtina, no Vaticano, eles não se contêm. Começam a fotografar freneticamente, à torta e à direita. Não sabem por onde se virar: se para o imenso afresco central, atrás do altar, onde Cristo, com poderoso braço musculoso, joga uma multidão de pecadores no inferno, ou, acima da cabeça, para as nove cenas que mostram a origem do mundo e da humanidade, assim como a expulsão de Adão e Eva do paraíso. Alguns se deixam fascinar pelos afrescos de ambos os lados, onde figuram pinturas maravilhosas de Botticelli, Ghirlandaio e Perugino, outros admiram a imitação de tapeçaria, da autoria de Rafael, que orna as paredes da Capela.

 

O cineasta Meireles também acha que a Capela Sixtina forma um excelente cenário para as altas conversas entre Hopkins e Pryce. Já fotogênicos por natureza, esses atores impactam ainda mais nesse ambiente. O filme não acena ao fato que a memória de dois papas paira sobre o lugar. A do Papa Sixto IV, que manda construir num tempo recorde, entre os anos 1477 e 1480, a Capela que leva seu nome, e a do Papa Júlio II, que, entre 1508 e 1512, reserva polpudas somas de moedas do Vaticano, cambiadas pela Casa Fugger na Alemanha, a pagar os melhores artistas da época. São exatamente essas generosas moedas do Papa Júlio II que tanto escandalizam o jovem frade agostiniano Martinho Lutero em sua visita ao Vaticano, poucos anos depois.

 

Será que Meireles se deixou seduzir pela pompa do lugar, como tantos e tantos turistas que se extasiam na Capela Sixtina, como se deixam fascinar ao atravessar as inumeráveis salas fotogênicas do Palácio do Inverno em São Petersburgo? A pobre ‘Casa Branca’ de Washington não tem como rivalizar. Versailles faz figura melhor, assim como o Palácio Windsor nos arredores de Londres.

 

Sim, penso que o esplendor do Vaticano tem de entrar numa avaliação criteriosa do filme ‘Dois Papas’, assim como a arte triunfal renascentista ostentada na Capela Sixtina. É um detalhe, sim, mas um detalhe importante.

 

Onde fica Andrei Rublev (1360-1427), o famoso monge artista do Mosteiro Andronikov em Moscou, que não consegue pintar o quadro do ‘Último Juízo’ encomendado pelo Patriarca Ortodoxo para a Catedral da Anunciação no Kremlin em Moscou, pois, em contraste com Michelangelo, não se imagina um Cristo que jogue pecadores no inferno (veja o filme ‘Andrei Rublev’, de Tarkovski 1966)?

 

E onde fica Helder Câmara, que por duas vezes cita, em suas Cartas Circulares, seu poema louco do ‘papa que enlouquece’?

 

Sonhei que o Papa enlouquecia

Ele mesmo ateava fogo

Ao Vaticano

e à Basílica de São Pedro.

Loucura sagrada,

porque Deus atiçava o fogo

que os bombeiros, em vão,

tentavam extinguir.

O Papa, louco,

saía pelas ruas de Roma,

dizendo adeus aos Embaixadores

credenciados junto a Ele,

jogando a tiara no Tibre,

espalhando pelos pobres

o dinheiro todo

do Banco do Vaticano.

Que vergonha para os cristãos!

Para que um Papa

viva o Evangelho,

temos de imaginá-lo

em plena loucura!

 

(Carta Circular 18-19/02/1965, II, II, p. 192, repetido em 4-5/5/1974, VII, I, pp.128-129. Cito pela edição Cepe, de Recife, em fase de elaboração. Assim o texto de 1974 só existe, até hoje, ‘on line’).